Tag Archives: Chalé Cláudio & Yuri

Carnaval 2014 em São Bento do Sapucaí

Carnaval 2014

Mantiqueira!

Saímos na sexta-feira à noite para São Bento do Sapucaí, cidade tranquila, com pouco mais de 10 mil habitantes, na Serra da Mantiqueira. Nossos planos para o feriado eram pedalar, descansar, comer bem e comemorar um ano de namoro.

A cidade estava mais cheia do que nas outras vezes que fui para lá e o Carnaval de rua foi animado, pelo que observei. Porém, nós aproveitamos para relaxar e explorar os arredores de São Bento.

Pensando no Audax de Queluz, levamos as bicicletas para “treinarmos” um pouco. No primeiro dia, fomos para Gonçalves-MG. A ida e volta dariam pouco mais de 60km, mas parei com 58km depois de algumas crises de falta de ar. A última e mais forte aconteceu quando estava subindo a Estrada do Paiol, no caminho para o chalé onde estávamos hospedados. O Artur ficou tão preocupado, que não me deixou pedalar mais e foi buscar o carro para me resgatar.

Carnaval 2014

Subindo a serrinha sentido Monteiro Lobato.

Dois dias depois, saímos de São Bento do Sapucaí sentido Monteiro Lobato, mas fizemos o retorno antes de chegar à cidade. Seguimos para Santo Antônio do Pinhal e depois voltamos para São Bento, somando 78km na estrada. Pela minha saúde, o percurso foi mais curto e menos íngreme do que havíamos planejado e combinamos que, ao menor sinal de crise, iríamos voltar. No entanto, não tive nenhuma falta de ar e ainda pedalei bem.

Comes e bebes

Carnaval 2014

Feirinha de orgânicos em Gonçalves.

Finalmente, conseguimos ir à feira de orgânicos em Gonçalves, que acontece aos sábados. Ali dá para comprar legumes e verduras fresquinhos e produtos como queijos de cabra, antepastos, pães e biscoitos, tudo direto do produtor. É só pegar uma cesta, ir enchendo com o que quiser e depois pesar e pagar no caixa. E os preços são bons.

Carnaval 2014

Bicicletas são bem-vindas no Janela com Tramela.

Durante o primeiro pedal, almoçamos no restaurante Janela com Tramela, em Gonçalves, onde sempre peço o escondidinho de cogumelos. Desta vez, tomei apenas um suco, mas recomendo os drinks de lá também.

Encaramos as estradas de terra e fomos duas vezes até o Alambique Luminosa, na cidade que é distrito de Brazópolis-MG. O Artur já conhecia o lugar e disse que poderíamos almoçar por ali. Excelente ideia, pois a comida é feita em fogão à lenha. As opções vegetarianas foram arroz, feijão, ovo frito e uma salada caprichada feita na hora para mim. Tudo muito saboroso!

O sr. Guido começou a produção de cachaça artesanal em 2003. No alambique, ainda é possível encontrar a primeira que ele produziu há 11 anos, envelhecida em barril de carvalho. Ele produz diversas cachaças licorosas com sabores variados. Degustei as de jabuticaba, café, banana, canela e a envelhecida. Todas muito boas, com excelente preço e acompanhadas de boa conversa e muita simpatia.

Almoçamos um dia no Bistrot da Serra, em São Francisco Xavier, mas não foi uma boa ideia. Já tinha comido uma boa quiche com salada lá durante o Audax de Campos do Jordão, porém a empanada de berinjela com creme de queijos foi um pedido infeliz. Também não gostei da cuca de maçã, que mais parecia o recheio de uma torta com cobertura de chocolate.

Depois de pedalar na terça-feira, fomos à já conhecida Cantina do Tio Giuseppe. Acho que comemos lá todas as vezes que fui para São Bento do Sapucaí. A cantina funciona na casa da família e tem uma decoração meio maluca com uma mesa de sinuca desativada, máquinas de escrever, ferros de passar roupa daqueles que funcionam com brasas, câmeras fotográficas analógicas e outras coisas.

São servidos três antepastos de entrada: sardela, berinjela temperada cortada em tiras e a casca da berinjela com azeite e temperinhos (meu favorito!). O cardápio tem truta com nhoque verde com molho de gorgonzola e um trio de massas que começa com espaguete com molho ao sugo, seguido do nhoque verde e canelone quatro queijos para finalizar. A única vez que consegui chegar ao terceiro prato foi quando almoçamos lá na companhia dos amigos Tati, Bruno e Igor. Comida farta e deliciosa!

Jantamos duas vezes no restaurante Passatempo, que é uma loteria. No primeiro dia, a pizza estava quase perfeita. Massa fina, gostosa, queijo derretido na medida certa, cogumelos grandes e um tomate assado muito bom. O problema foi que, ao invés de apenas metade, a pizza veio inteira com aliche. Eu mordia um pedaço e lá vinha o gosto de peixe.

Voltamos na terça-feira e pedimos a mesma pizza, desta vez, sem aliche. Um desastre! A massa se dividia, o queijo estava meio borrachudo, ao invés de cogumelo, havia milho verde refogado na manteiga e um excesso enjoativo de queijo tipo catupiry. Nem os tomates assados se salvavam.

O lugar é agradável e o jeito maluco do dono pode render boas risadas, mas é complicado quando não dá para ter certeza se a pizza estará boa ou não.

Carnaval 2014

Cláudio e seu delicioso risoto de beterraba.

Para mim, a melhor refeição da viagem foi o jantar na casa do Cláudio e da Yuri. O convite inesperado rendeu uma noite muito agradável na companhia deles, do Aragão e da Alice. Além da boa conversa repleta de histórias divertidas, a comida estava ótima! Adorei a entrada: talos de brócolis com um molho agridoce de missô. O prato principal foi um risoto de beterraba maravilhoso servido com iogurte caseiro reduzido e temperado. Para finalizar, trufas feitas pela Yuri e chá.

Carnaval 2014

Café da manhã delicioso!

Aproveitamos as delícias culinárias do Cláudio e da Yuri também no café da manhã no Empório Embahú. Pão com fermentação natural, bolos, cookies, iogurte caseiro, farofa de mel, geleia de frutas… Tudo fresquinho, feito com carinho e muito sabor!

Dá para perceber que este foi um carnaval bem gastronômico!

Advertisements